domingo, 24 de julho de 2011

É como saltar de cima de um prédio: sexo e a ordem moral

Chuck Colson       
         
Até os mais explícitos defensores de ideias politicamente corretas têm grande dificuldade de viver com as conclusões de seus próprios ensinos.

Em seu livro The Right Questions, Phillip Johnson, ex-professor de direito na Universidade de Berkeley, conta acerca de um professor esquerdista numa universidade muito politicamente correta. O professor e sua esposa se consideravam "feministas contra a homofobia", e estavam muito dispostos a aplicar suas opiniões à sua própria família.

Se o filho deles tivesse lhes dito que era gay, eles o teriam aceitado de forma apaixonada. Mas eles ficaram chocados com o que seu filho realmente lhes disse. Ele disse que era transgênero.

O que ele quis dizer? Conforme Johnson recorda em seu livro, o filho respondeu: "Significa que sou menina. Quero vestidos e maquilagem e desafiar a ideia burguesa e totalmente patriarcal de sexo masculino e feminino".

Os pais entraram em pânico porque naquela mesma noite eles estavam esperando para o jantar famosos convidados, que "poderiam pensar que o filho deles estava fazendo de bobo a si mesmo e a seus pais", escreve Johnson.

Para o alívio dos pais, seu filho se vestiu normalmente. Mas depois do jantar, o filho explicou que ele havia aprendido o conceito de transgênero dos mesmos livros que seu pai designava para seus estudantes.

É uma grande história sobre como até os mais explícitos defensores de ideias politicamente corretas têm grande dificuldade de viver com as conclusões de seus próprios ensinos. Nesse caso, é o ensino de que o estilo de vida homossexual e transgênero equivale moral e socialmente a um estilo de vida heterossexual. Se esse realmente fosse o caso, certamente o admirado professor e sua esposa não teriam sentido nenhum aflição sobre o que seu filho estaria vestindo para o jantar. Mas eles sentiram.

Talvez seja por isso que bem lá no fundo, a maioria das pessoas reconheça que há uma ordem moral no universo - exatamente como há uma ordem física. Conforme escreveu Cornelius Plantinga, presidente do Seminário Calvin: "A sabedoria na Bíblia é, falando em termos gerais, o conhecimento do mundo de Deus e a capacidade especial de se encaixar nele". Em outras palavras, ser sábio é conhecer a realidade - física e moral - e viver de acordo com essa realidade.

Esse é o motivo por que pessoas mentalmente sãs não saltam de cima de um prédio de 10 andares. Elas compreendem que fazer isso seria ignorar a lei da gravidade e arriscar sofrer uma catástrofe. Pois bem, do mesmo jeito, quando violamos as leis morais do universo, ficamos sob a ameaça de um mundo de sofrimento.

E, eu deveria acrescentar, a ordem moral do universo está ligada à ordem física. Deus fez os homens e as mulheres de um modo complementar para seu benefício e alegria mútuos e para a propagação e cuidado da raça humana. Olhar para o corpo humano e pensar de outra forma é, então, irracional.
Falei nesta semana [no meu programa de rádio] sobre o livro A Parent's Guide to Preventing Homosexuality (Guia dos Pais para a Prevenção da Homossexualidade), do Dr. Joseph Nicolosi.

Nicolosi - que é criticado de forma feroz e sistemática pelo movimento homossexual - crê que dá para se atribuir a origem da homossexualidade e dos desajustes sexuais aos fatores ambientais - e às vezes dá para vencê-los. Se você conhece crianças que têm problemas de identidade sexual, eu recomendo que você leia o livro do Dr. Nicolosi.

Como cristãos jamais devemos ter pretensões de superioridade moral, mas temos de ter a atitude de alcançar em amor aqueles que estão sob tentação do estilo de vida homossexual e transgênero. Afinal, eles foram criados conforme a imagem de Deus exatamente como nós fomos. Trate-os como você trataria qualquer pessoa que foi seduzida e presa numa conduta que lhes é prejudicial, pois, com tanta gente no mundo sendo seduzida, justamente nós encontramos a verdadeira felicidade não quando seguimos nossos desejos carnais, mas quando vivemos do jeito que Deus planejou e quis que vivêssemos.


Publicado com a permissão de Breakpoint.org

Tradução: Julio Severo

http://noticiasprofamilia.blogspot.com

 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário